Como encaras o teu corpo? Body Positivity, Body Shaming e Body Neutrality

 

É provável que já tenhas ouvido pelo menos um destes nomes, mas mesmo assim vou dizer-te o que é:

    Body Shaming (Envergonhar o Corpo – o teu ou o de outra pessoa), Body Positivity (uma abordagem positiva aos corpos: amares o teu corpo como ele é, não quereres que ele fosse outra coisa, gostar dele assim) e, mais recentemente e aquele com que eu me identifico mais: o Body Neutrality (Neutralidade Corporal: em que, uns dias gostas de ti, noutros nem por isso, e está tudo ok. Só precisas de o ir ouvindo e aceitar como ele é!).

 

No vídeo de hoje falo um pouco sobre isso:

 

 

Acho que, assim de caras, concluis comigo que gozar e odiar o próprio corpo é algo mau. Body Shaming ou Envergonhar um Corpo, seja ele qual for, não é saudável nem benéfico para ninguém.

O Body Positivity (Positividade Corporal) é que nos últimos anos ganhou mais adeptos! Nada contra, algo tinha de balançar a epidemia de gozo e de vergonha que revistas, marcas de cosméticos (entre outros) andaram durante anos a lavar o nosso cérebro. O meu problema com o movimento da Positividade Corporal é que, acaba por ser semelhante ao Shaming, no sentido em que te obriga a sentir algo.

 

Body Shaming: obriga-te a sentires mal por seres como és.

Body Positivity: obriga-te a amares como és. Mesmo que estejas num dia não, mesmo que queiras melhorar o aspecto da tua barriga, muscular os braços ou engordar nas coxas. E se te sentes assim, já não estás a ser Positiva.

 

A mim, soa-me tudo a obrigação, a falso e a regras de alguém que eu não conheço.

 

É por isso que me identifico com o Body Neutrality: é o meu corpo. Só isso.

Tenho de cuidar dele porque é o único que tenho. Uns dias cuido porque gosto de o fazer, noutros até me apetecia trocá-lo, mas sei que não vai acontecer.

Há um certo equilíbrio, balanço e uma “obrigação” saudável e apenas tratar de mim como sou. Deixando que as portas se mantenham abertas para melhorar o que quer que seja, sem que a base seja o ódio.

 

E tu, o que achas?

Qual é a tua visão sobre este tema? 🙂

Um comentário Adicione o seu

  1. Para mim, parece-me que de uma forma ou de outra, implica “stress” para estar de uma certa forma. Quando, na minha opinião, isso não vai acontecer todos os dias, a todas horas e minutos! E tu, o que achas? :)*

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *